Radar da Web




Pesquisadores descobrem forma de avançar computação quântica



Publicado em 03/12/2015 | #tecnologia

FacebookGoogle+LinkedInTwitterE-mail

Pesquisadores descobrem forma de avançar computação quântica

Um tipo intrigante de computação quântica está mais próximo de se tornar realidade depois do anúncio de que especialistas do Laboratório Nacional de Los Alamos, da Stanford University e da Technical University de Munique conseguiram resolver um dos principais problemas da tecnologia usando semicondutores comuns.

A ideia por trás da computação quântica, entre os possíveis desdobramentos, é usar o estado quântico de pequenas partículas para armazenar informação. A vantagem é que cada uma dessas partículas chamadas qubits conseguem armazenar uma ampla gama de valores, enquanto os bits regulares no núcleo de computadores conseguem apenas representar zero ou um.

Como consequência, diz o estudo, certos tipos de computação poderiam funcionar a uma velocidade amplamente superior.

As partículas reais devem ser utilizadas como variantes de qubits - alguns computadores quânticos usam fótons, outros íons e outros átomos que podem ser manipulados para representar diferentes valores. Mas a recente pesquisa detalha um computador quântico que usa um único elétron fechado em uma nanoestrutura, chamado de “ponto quântico”, feito de materiais semicondutores padrão para armazenar informação na forma de um spin de elétron.

Anteriormente, o uso da técnica foi limitado pelo o que o pesquisador Alexander Bechtold da Technical de Munique descreveu como um efeito piezoelétrico, que causou o spin flutuar - o que significa que a informação armazenada é corrompida em questão de centenas de nanossegundos.

O conserto? Imãs, de acordo com Bechtold. Um campo magnético de 1,5 teslas aparentemente contraria esta perda de informação.

“Isso corresponde a força do campo magnético de um ímã forte e permanente", disse. "Ele estabiliza os spins nucleares e as informações codificadas permanecem intactas."

O principal coordenador da pesquisa de Munique, Jonathan Finley, disse que os pontos quânticos semicondutores integram um sistema “extremamente promissor”, e eles têm um ponto particular.

“Os pontos quânticos semicondutores têm a vantagem em equilibrar perfeitamente com a tecnologia computacional existente uma vez que eles são feitos de matérias semicondutores parecidos”, disse no anúncio.

As descobertas do grupo foram publicadas na revista especializada Nature. Vale lembrar que eles não são os únicos a fazerem avanços em computação quântica baseado em trabalhos sobre tecnologias já existentes.

Pesquisadores australianos recentemente desenvolverem a primeira porta lógica quântica em silício, pavimentando o caminho para o funcionamento de computadores quânticos feitos a partir desse material.


Fonte: idgnow.com.br

Leia também


Comentários

Nenhum comentário enviado. Seja o primeiro a comentar, clique aqui

Copyright © 2013/2017 Radar da Web. Todos os direitos reservados.
Topo